Início
/
Serviços
/
Saúde Pública
Saúde Pública

1 - Apresentação

A Unidade de Saúde Pública da U.L.S. da Guarda, EPE integra:

  1. Um serviço central e sede da USP, com funções de observatório local de saúde e de vigilância e investigação epidemiológica e de promoção da saúde.
    É da responsabilidade deste serviço central o planeamento em saúde assim como a coordenação, gestão e execução de programas de intervenção comunitária no âmbito da defesa, promoção e protecção da saúde da população ou de determinados grupos.
  2. Os Núcleos Locais de Saúde Pública, serviços operativos locais, que funcionam em todos os concelhos de área geográfica da U.L.S. da Guarda e que estão localizados nas instalações das sedes das Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados;
  3. O Laboratório de Saúde Pública.

A USP assegura o desempenho de funções de Autoridade de Saúde no âmbito da U.L.S. da Guarda, nos termos da legislação em vigor.
Área geográfica abrangida pela USP da ULS da Guarda
A Unidade de Saúde Pública (USP) da U.L.S. da Guarda, E.P.E. abrange toda a área geográfica dos concelhos de: Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Sabugal, Seia, Trancoso e Vila Nova de Foz Côa.

A sede da USP localiza-se dentro do Parque da Saúde da Guarda no edifício dos serviços centrais da U.L.S. da Guarda, E.P.E., na Av. Rainha D. Amélia, s/n – 6301-858 Guarda.

GPS: 40°31’59.1″N 7°16’27.2″W
Coordenadora da Unidade de Saúde Pública
Dr.ª Ana Isabel Correia Viseu

Contatos
Telefone: (+351) 271 210 840
Email: sec.sp@ulsguarda.min-saude.pt

2 - Visão, Missão e Valores

VISÃO

Promover a saúde da população residente na área da abrangência da U.L.S. da Guarda, reduzindo a prevalência de fatores de risco e aumentando os fatores de proteção para a saúde.

MISSÃO

A Unidade de Saúde Pública tem por missão funcionar como Observatório de Saúde da U.L.S. da Guarda, identificando as necessidades de saúde da população, a sua monitorização e a dos seus determinantes, afirmando-se como elemento de ação e dinamizador do estabelecimento de parcerias, intervenção e estratégias de cooperação intersetorial.

VALORES

A Unidade de Saúde Pública rege-se pelos seguintes valores:

  1. Excelência técnica e eficiência, assegurando os melhores níveis de resultados e de serviço prestado às populações;
  2. Procura de inovação técnica permanente, promovendo o conhecimento e reconhecendo-o como uma mais valia;
  3. Promoção do trabalho em equipa e a multidisciplinaridade participativa;
  4. Diferenciação técnica e satisfação dos profissionais;
  5. Identificação das desigualdades em saúde;
  6. Garantia de equidade no acesso e prestação de cuidados à população;
  7. Promoção ativa da autonomia e responsabilização dos cidadãos pela sua saúde;
  8. Partilha de informação em saúde com população, instituições e organismos;
  9. Cooperação entre profissionais e instituições (setores social, da educação, do ambiente e do desenvolvimento local);
  10. Estrutura organizativa flexível, permitindo a necessária adequação às especificidades geodemográficas;
  11. Garantia de qualidade aos clientes internos e externos;
  12. Integridade na defesa dos interesses públicos;
  13. Provedoria em saúde.

3 - Profissionais

 

Equipa de Profissionais da USP da Guarda

Médicos: Técnicos Superiores das áreas de Diagnóstico e Terapêutica (cont.):
   Saúde Pública    Higiene Oral
      Ana Isabel Correia Viseu – Coordenadora da USP       Ana Maria Soares Lopes
      Benilde de Fátima Vaz Mendes       Isabel Maria Pereira Gamboa
      José Manuel Martins Valbom       Liliana Patrícia Mendes Marques Gouveia
     Maria Assunção Marques Prata Ferreira       Sandra Maria Pereira Morais Pires
Internato Médico de Saúde Pública      Tânia Sofia Matias Morgado
     Patrícia Isabel da Cunha Correia    Saúde Ambiental
Medicina Geral e Familiar       Ana Cristina Sá Reis
     Lelo António Martins Rodrigues       António Carlos Monteiro da Paz
     Luís José dos Santos Melo       Carla Isabel Alves Besteiro
     Maria Ângela de Andrade Tenreiro       Carlos José Valente Marques
Enfermeiros: Luísa Vieira – Responsável de Enfermagem       Cristina Sofia Albuquerque Andrade Dias
   Adelaide Conceição Martins Logarinho       Eugénia Maria Félix Nunes
   Luís António Alves Martinho       Maria Amélia Santos Jerónimo Andrade
   Pedro Miguel Simões da Silva       Maria de Lurdes Ferreira Moreda Lourenço
Técnicas Superiores de Saúde:       Maria José Pereira Santos Salgado
  Laboratório       Mário Tiago Alves Cardoso
      Maria Paula Tenreiro C.M. Martinho Lourenço – Responsável Técnica do LSP       Paula Cristina Pereira
      N’Zola Alexandra Costa Garrido Pacheco       Sara Marisa Figueiredo Pinheiro
Técnicos Superiores: Assistentes Técnicos:
   Engenharia:       Albino Freire Bárbara
      Carlos Alberto das Neves Gonçalves       Isabel Maria Afonso da Fonseca
   Laboratório: Assistentes Operacionais:
      Tânia Cristina Afonso Pais       Ana Paula Santos Vaz
Técnicos Superiores das áreas de Diagnóstico e Terapêutica:       Maria Matilde Lamas Lopes Brás
   Análises Clínicas e de Saúde Pública:       Paula Cristina Mateus Espinhanço Mimoso
      Alexandra Maria Almeida Costa
      Ana Marília Bidarra Monteiro Dionísio
      Liliana Pires da Costa
      Marisa Inácio Isidoro
      Paula Alexandra Pires Cerdeira
      Sílvia Marques Rodrigues
      Virgínia Sofia Geraldes

 

4 - Serviço Central

ÁREAS FUNCIONAIS

AUTORIDADE DE SAÚDE:

A autoridade de saúde é o poder de intervenção do Estado na defesa da Saúde Pública, na prevenção da doença e manutenção da saúde, pela prevenção dos fatores de risco e controlo de situações suscetíveis de causarem ou acentuarem prejuízos graves à saúde individual, da população em geral ou de grupos específicos.
Os poderes da autoridades de saúde local são exercidos no âmbito territorial correspondente às áreas geográficas e administrativas da área de abrangência da U.L.S. da Guarda. Compreende ainda os poderes relativos à sanidade internacional.

VIGILÂNCIA E INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA:

 Saúde Ambiental é a área da saúde pública que engloba os problemas resultantes dos efeitos que o ambiente exerce sobre o bem-estar físico e mental dos indivíduos como parte integrante de uma comunidade. Incluí também a avaliação, correção e prevenção dos fatores no ambiente que podem potencialmente afetar adversamente a saúde das populações.

Sistema de Alerta e Resposta em Saúde Pública é um sistema de vigilância em saúde pública, que identifica situações de risco, recolhe, atualiza, analisa e divulga os dados relativos a doenças transmissíveis e outros riscos em saúde pública, bem como prepara planos de contingência face a situações de emergência ou tão graves como de calamidade pública.

SINAVE (Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica) tem por objetivo a monitorização do estado de saúde das populações ao longo do tempo, e visa determinar o risco de transmissão de qualquer doença, ou outros fenómenos de saúde, bem como a prevenção da sua entrada ou propagação em território português, mediante o controlo da sua génese e evolução.

Laboratório de Saúde Pública dá apoio laboratorial ao desenvolvimento da vigilância, dos programas e das atividades em saúde pública.

PLANEAMENTO EM SAÚDE:

O planeamento em saúde consiste na “… racionalização na utilização de recursos escassos com vista a atingir os objectivos fixados, em ordem à redução dos problemas de saúde considerados como prioritários, e implicando a coordenação de esforços provenientes dos vários sectores sócio económicos…”. (Imperatori e Giraldes, 1982)

Observatório Local de Saúde
“Os centros de observação de saúde são centros de trabalhos e estudos, que permitem observar e analisar de forma crítica, continuada e sistemática a evolução dos indicadores do estado de saúde de uma população em geral ou orientada para algum aspecto particular da saúde.” (Circular Informativa nº 46/DSPCS de 13/10/06)

Promoção e Protecção da Saúde
A promoção da saúde é um processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o control sobre a sua saúde (e seus determinantes – sobretudo, comportamentais, psicossociais e ambientais) (carta de Otawa, 1986).
A carta de Bangkok (2005), para a promoção da saúde num mundo globalizado, introduz a noção de “saúde como recurso” e de a mesma ser um “empreendimento coletivo”. É, pois, a interação entre as pessoas e os ambientes que cria um padrão de saúde do indivíduo, da família, da escola e da comunidade.
Neste contexto importa compreender os desafios que se colocam no âmbito da promoção e proteção da saúde. Os maiores desafios são, por um lado, o de compreender como as novas descobertas científicas podem afetar as nossas vidas, a nossa saúde coletiva e, por outro, o de ajudar a preparar a sociedade para enfrentarem todos estes desafios com mais saúde, mais segurança e mais sustentabilidade.
Torna-se, portanto, necessário o estabelecimento de parcerias funcionais, de alianças e redes fortes para a promoção e proteção da saúde, que incluam os sectores público e privado e outros grupos da sociedade civil, para além daqueles já tradicionalmente envolvidos na intervenção em saúde, de modo a promover a literacia em saúde e criar massa crítica para a promoção da saúde em diferentes espaços (escolas, locais de trabalho, locais de recriação e lazer, estabelecimentos de saúde, prisões, etc.).

ENSINO / FORMAÇÃO:

Na USP da Guarda é dada formação pré e pós graduada a vários grupos profissionais de saúde: médicos, enfermeiros e outros técnicos. A USP orienta ainda estágios profissionais e curriculares para obtenção de grau de licenciatura e mestrado.

6 - Núcleos Locais de Saúde Pública

Os Núcleos Locais de Saúde Pública (NLSP) prestam serviço no âmbito da Saúde Pública e da Autoridade de Saúde, garantido por Médicos de Saúde Pública e de Medicina Geral e Familiar, Enfermeiros, Técnicos de Saúde Ambiental, Higienistas Orais, Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais.
Existem equipas locais, constituídas por profissionais da Unidade de Saúde Pública e outros profissionais com atribuição de horas para a execução de programas específicos de Saúde Pública.
Tabela de contatos dos Núcleos Locais de Saúde Pública

7 - Laboratório de Saúde Pública

O Laboratório de Saúde Pública (LSP) localiza-se no mesmo edifício da sede da Unidade de Saúde Pública e serviços centrais da ULS da Guarda. Para além das atividades inerentes ao apoio à vigilância e programas de saúde pública da USP da Guarda, realiza também a prestação de serviços a clientes externos, entidades públicas, empresas e a particulares.
O LSP da Guarda é um laboratório acreditado pelo IPAC segundo a norma NP EN ISO 17025:2005 desde 2011, com o anexo técnico L0570-1, onde constam parâmetros acreditados, conforme Anexo Técnico de Acreditação. Desenvolve a sua atividade no âmbito da avaliação da qualidade da água nas vertentes físico-química e microbiológica, de acordo com as exigências da legislação nacional e comunitária e com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), numa abordagem de problemas ambientais que representam risco para a saúde humana, nomeadamente:

  • Prestação de serviço analítico, dando prioridade a planos de vigilância e monitorização de fatores de risco em articulação com serviços de saúde e outros com âmbito alargado de utilização pública;
  • Prestação de serviço de controlo da qualidade em águas de consumo, águas minerais, naturais e de nascente, águas naturais doces (águas superficiais, subterrâneas, termais e balneares), águas de processo (águas de hemodiálise e para uso industrial) e águas de piscina, à comunidade onde se insere e a clientes externos dos distritos de Castelo Branco e Viseu;
  • Participação em projetos de pesquisa e investigação propostos pela DGS e ARS Centro e de iniciativa da ULS e/ou em articulação com a UBI, IPG, IPCB – Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, Instituto Piaget – Bragança e outras entidades publicas ou privadas.

Realiza ainda análises para a execução e desenvolvimento dos programas de âmbito regional do Departamento de Saúde Pública da A.R.S. do Centro para a USP da Guarda e para as USP dos Agrupamentos de Centros de Saúde da Cova da Beira, Dão Lafões e da U.L.S. de Castelo Branco:

  • Vigilância de cantinas escolares e refeitórios públicos
  • Pão.come
  • Sopa.come

Documentos

Semana Europeia da Vacinação 2019

Saúde Pública

1 - Apresentação

A Unidade de Saúde Pública da U.L.S. da Guarda, EPE integra:

  1. Um serviço central e sede da USP, com funções de observatório local de saúde e de vigilância e investigação epidemiológica e de promoção da saúde.
    É da responsabilidade deste serviço central o planeamento em saúde assim como a coordenação, gestão e execução de programas de intervenção comunitária no âmbito da defesa, promoção e protecção da saúde da população ou de determinados grupos.
  2. Os Núcleos Locais de Saúde Pública, serviços operativos locais, que funcionam em todos os concelhos de área geográfica da U.L.S. da Guarda e que estão localizados nas instalações das sedes das Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados;
  3. O Laboratório de Saúde Pública.

A USP assegura o desempenho de funções de Autoridade de Saúde no âmbito da U.L.S. da Guarda, nos termos da legislação em vigor.
Área geográfica abrangida pela USP da ULS da Guarda
A Unidade de Saúde Pública (USP) da U.L.S. da Guarda, E.P.E. abrange toda a área geográfica dos concelhos de: Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Gouveia, Guarda, Manteigas, Meda, Pinhel, Sabugal, Seia, Trancoso e Vila Nova de Foz Côa.

A sede da USP localiza-se dentro do Parque da Saúde da Guarda no edifício dos serviços centrais da U.L.S. da Guarda, E.P.E., na Av. Rainha D. Amélia, s/n – 6301-858 Guarda.

GPS: 40°31’59.1″N 7°16’27.2″W
Coordenadora da Unidade de Saúde Pública
Dr.ª Ana Isabel Correia Viseu

Contatos
Telefone: (+351) 271 210 840
Email: sec.sp@ulsguarda.min-saude.pt

2 - Visão, Missão e Valores

VISÃO

Promover a saúde da população residente na área da abrangência da U.L.S. da Guarda, reduzindo a prevalência de fatores de risco e aumentando os fatores de proteção para a saúde.

MISSÃO

A Unidade de Saúde Pública tem por missão funcionar como Observatório de Saúde da U.L.S. da Guarda, identificando as necessidades de saúde da população, a sua monitorização e a dos seus determinantes, afirmando-se como elemento de ação e dinamizador do estabelecimento de parcerias, intervenção e estratégias de cooperação intersetorial.

VALORES

A Unidade de Saúde Pública rege-se pelos seguintes valores:

  1. Excelência técnica e eficiência, assegurando os melhores níveis de resultados e de serviço prestado às populações;
  2. Procura de inovação técnica permanente, promovendo o conhecimento e reconhecendo-o como uma mais valia;
  3. Promoção do trabalho em equipa e a multidisciplinaridade participativa;
  4. Diferenciação técnica e satisfação dos profissionais;
  5. Identificação das desigualdades em saúde;
  6. Garantia de equidade no acesso e prestação de cuidados à população;
  7. Promoção ativa da autonomia e responsabilização dos cidadãos pela sua saúde;
  8. Partilha de informação em saúde com população, instituições e organismos;
  9. Cooperação entre profissionais e instituições (setores social, da educação, do ambiente e do desenvolvimento local);
  10. Estrutura organizativa flexível, permitindo a necessária adequação às especificidades geodemográficas;
  11. Garantia de qualidade aos clientes internos e externos;
  12. Integridade na defesa dos interesses públicos;
  13. Provedoria em saúde.

3 - Profissionais

 

Equipa de Profissionais da USP da Guarda

Médicos: Técnicos Superiores das áreas de Diagnóstico e Terapêutica (cont.):
   Saúde Pública    Higiene Oral
      Ana Isabel Correia Viseu – Coordenadora da USP       Ana Maria Soares Lopes
      Benilde de Fátima Vaz Mendes       Isabel Maria Pereira Gamboa
      José Manuel Martins Valbom       Liliana Patrícia Mendes Marques Gouveia
     Maria Assunção Marques Prata Ferreira       Sandra Maria Pereira Morais Pires
Internato Médico de Saúde Pública      Tânia Sofia Matias Morgado
     Patrícia Isabel da Cunha Correia    Saúde Ambiental
Medicina Geral e Familiar       Ana Cristina Sá Reis
     Lelo António Martins Rodrigues       António Carlos Monteiro da Paz
     Luís José dos Santos Melo       Carla Isabel Alves Besteiro
     Maria Ângela de Andrade Tenreiro       Carlos José Valente Marques
Enfermeiros: Luísa Vieira – Responsável de Enfermagem       Cristina Sofia Albuquerque Andrade Dias
   Adelaide Conceição Martins Logarinho       Eugénia Maria Félix Nunes
   Luís António Alves Martinho       Maria Amélia Santos Jerónimo Andrade
   Pedro Miguel Simões da Silva       Maria de Lurdes Ferreira Moreda Lourenço
Técnicas Superiores de Saúde:       Maria José Pereira Santos Salgado
  Laboratório       Mário Tiago Alves Cardoso
      Maria Paula Tenreiro C.M. Martinho Lourenço – Responsável Técnica do LSP       Paula Cristina Pereira
      N’Zola Alexandra Costa Garrido Pacheco       Sara Marisa Figueiredo Pinheiro
Técnicos Superiores: Assistentes Técnicos:
   Engenharia:       Albino Freire Bárbara
      Carlos Alberto das Neves Gonçalves       Isabel Maria Afonso da Fonseca
   Laboratório: Assistentes Operacionais:
      Tânia Cristina Afonso Pais       Ana Paula Santos Vaz
Técnicos Superiores das áreas de Diagnóstico e Terapêutica:       Maria Matilde Lamas Lopes Brás
   Análises Clínicas e de Saúde Pública:       Paula Cristina Mateus Espinhanço Mimoso
      Alexandra Maria Almeida Costa
      Ana Marília Bidarra Monteiro Dionísio
      Liliana Pires da Costa
      Marisa Inácio Isidoro
      Paula Alexandra Pires Cerdeira
      Sílvia Marques Rodrigues
      Virgínia Sofia Geraldes

 

4 - Serviço Central

ÁREAS FUNCIONAIS

AUTORIDADE DE SAÚDE:

A autoridade de saúde é o poder de intervenção do Estado na defesa da Saúde Pública, na prevenção da doença e manutenção da saúde, pela prevenção dos fatores de risco e controlo de situações suscetíveis de causarem ou acentuarem prejuízos graves à saúde individual, da população em geral ou de grupos específicos.
Os poderes da autoridades de saúde local são exercidos no âmbito territorial correspondente às áreas geográficas e administrativas da área de abrangência da U.L.S. da Guarda. Compreende ainda os poderes relativos à sanidade internacional.

VIGILÂNCIA E INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA:

 Saúde Ambiental é a área da saúde pública que engloba os problemas resultantes dos efeitos que o ambiente exerce sobre o bem-estar físico e mental dos indivíduos como parte integrante de uma comunidade. Incluí também a avaliação, correção e prevenção dos fatores no ambiente que podem potencialmente afetar adversamente a saúde das populações.

Sistema de Alerta e Resposta em Saúde Pública é um sistema de vigilância em saúde pública, que identifica situações de risco, recolhe, atualiza, analisa e divulga os dados relativos a doenças transmissíveis e outros riscos em saúde pública, bem como prepara planos de contingência face a situações de emergência ou tão graves como de calamidade pública.

SINAVE (Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica) tem por objetivo a monitorização do estado de saúde das populações ao longo do tempo, e visa determinar o risco de transmissão de qualquer doença, ou outros fenómenos de saúde, bem como a prevenção da sua entrada ou propagação em território português, mediante o controlo da sua génese e evolução.

Laboratório de Saúde Pública dá apoio laboratorial ao desenvolvimento da vigilância, dos programas e das atividades em saúde pública.

PLANEAMENTO EM SAÚDE:

O planeamento em saúde consiste na “… racionalização na utilização de recursos escassos com vista a atingir os objectivos fixados, em ordem à redução dos problemas de saúde considerados como prioritários, e implicando a coordenação de esforços provenientes dos vários sectores sócio económicos…”. (Imperatori e Giraldes, 1982)

Observatório Local de Saúde
“Os centros de observação de saúde são centros de trabalhos e estudos, que permitem observar e analisar de forma crítica, continuada e sistemática a evolução dos indicadores do estado de saúde de uma população em geral ou orientada para algum aspecto particular da saúde.” (Circular Informativa nº 46/DSPCS de 13/10/06)

Promoção e Protecção da Saúde
A promoção da saúde é um processo que permite capacitar as pessoas a melhorar e a aumentar o control sobre a sua saúde (e seus determinantes – sobretudo, comportamentais, psicossociais e ambientais) (carta de Otawa, 1986).
A carta de Bangkok (2005), para a promoção da saúde num mundo globalizado, introduz a noção de “saúde como recurso” e de a mesma ser um “empreendimento coletivo”. É, pois, a interação entre as pessoas e os ambientes que cria um padrão de saúde do indivíduo, da família, da escola e da comunidade.
Neste contexto importa compreender os desafios que se colocam no âmbito da promoção e proteção da saúde. Os maiores desafios são, por um lado, o de compreender como as novas descobertas científicas podem afetar as nossas vidas, a nossa saúde coletiva e, por outro, o de ajudar a preparar a sociedade para enfrentarem todos estes desafios com mais saúde, mais segurança e mais sustentabilidade.
Torna-se, portanto, necessário o estabelecimento de parcerias funcionais, de alianças e redes fortes para a promoção e proteção da saúde, que incluam os sectores público e privado e outros grupos da sociedade civil, para além daqueles já tradicionalmente envolvidos na intervenção em saúde, de modo a promover a literacia em saúde e criar massa crítica para a promoção da saúde em diferentes espaços (escolas, locais de trabalho, locais de recriação e lazer, estabelecimentos de saúde, prisões, etc.).

ENSINO / FORMAÇÃO:

Na USP da Guarda é dada formação pré e pós graduada a vários grupos profissionais de saúde: médicos, enfermeiros e outros técnicos. A USP orienta ainda estágios profissionais e curriculares para obtenção de grau de licenciatura e mestrado.

6 - Núcleos Locais de Saúde Pública

Os Núcleos Locais de Saúde Pública (NLSP) prestam serviço no âmbito da Saúde Pública e da Autoridade de Saúde, garantido por Médicos de Saúde Pública e de Medicina Geral e Familiar, Enfermeiros, Técnicos de Saúde Ambiental, Higienistas Orais, Assistentes Técnicos e Assistentes Operacionais.
Existem equipas locais, constituídas por profissionais da Unidade de Saúde Pública e outros profissionais com atribuição de horas para a execução de programas específicos de Saúde Pública.
Tabela de contatos dos Núcleos Locais de Saúde Pública

7 - Laboratório de Saúde Pública

O Laboratório de Saúde Pública (LSP) localiza-se no mesmo edifício da sede da Unidade de Saúde Pública e serviços centrais da ULS da Guarda. Para além das atividades inerentes ao apoio à vigilância e programas de saúde pública da USP da Guarda, realiza também a prestação de serviços a clientes externos, entidades públicas, empresas e a particulares.
O LSP da Guarda é um laboratório acreditado pelo IPAC segundo a norma NP EN ISO 17025:2005 desde 2011, com o anexo técnico L0570-1, onde constam parâmetros acreditados, conforme Anexo Técnico de Acreditação. Desenvolve a sua atividade no âmbito da avaliação da qualidade da água nas vertentes físico-química e microbiológica, de acordo com as exigências da legislação nacional e comunitária e com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), numa abordagem de problemas ambientais que representam risco para a saúde humana, nomeadamente:

  • Prestação de serviço analítico, dando prioridade a planos de vigilância e monitorização de fatores de risco em articulação com serviços de saúde e outros com âmbito alargado de utilização pública;
  • Prestação de serviço de controlo da qualidade em águas de consumo, águas minerais, naturais e de nascente, águas naturais doces (águas superficiais, subterrâneas, termais e balneares), águas de processo (águas de hemodiálise e para uso industrial) e águas de piscina, à comunidade onde se insere e a clientes externos dos distritos de Castelo Branco e Viseu;
  • Participação em projetos de pesquisa e investigação propostos pela DGS e ARS Centro e de iniciativa da ULS e/ou em articulação com a UBI, IPG, IPCB – Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, Instituto Piaget – Bragança e outras entidades publicas ou privadas.

Realiza ainda análises para a execução e desenvolvimento dos programas de âmbito regional do Departamento de Saúde Pública da A.R.S. do Centro para a USP da Guarda e para as USP dos Agrupamentos de Centros de Saúde da Cova da Beira, Dão Lafões e da U.L.S. de Castelo Branco:

  • Vigilância de cantinas escolares e refeitórios públicos
  • Pão.come
  • Sopa.come

Documentos

Semana Europeia da Vacinação 2019