Início
/
Serviços
/
Serviços Clínicos

Serviços Clínicos

Serviço de Bloco Operatório

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dra. Sónia Bispo

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Adelaide Cabral

Contatos

Serviço de Cirurgia de Ambulatório

O que é Cirurgia de Ambulatório (CA)

A Cirurgia de Ambulatório consiste na realização de intervenções cirúrgicas programadas (ou seja, não urgentes), em que os doentes se deslocam ao hospital no próprio dia da intervenção e têm alta algumas horas depois, sem necessidade de pernoitar no hospital. No passado, todas as intervenções cirúrgicas eram efetuadas em regime de internamento.

Quando, no âmbito da CA, o doente tem necessidade de permanecer a primeira noite no hospital, tem alta até 24 horas após a operação passando a designar-se esta modalidade por cirurgia ambulatória com pernoita hospitalar.

A cirurgia em regime de ambulatório é, nos países desenvolvidos, a área de maior expansão cirúrgica nos últimos trinta anos estando a sua popularidade associada a um conjunto significativo de vantagens:

  • Clínicas:
    • menor incidência de complicações (infecciosas, cirúrgicas, cardiovasculares, respiratórias, gastrointestinais, etc);
  • Organizativas:
    • melhoria do acesso dos doentes à cirurgia;
    • redução das listas de espera cirúrgicas;
    • aumento significativo da eficiência hospitalar relativamente à cirurgia de internamento.
  • Sociais:
    • permite uma mais rápida recuperação pós-operatória dos doentes;
    • início mais precoce das suas atividades diárias, da vida familiar e da atividade profissional ou escolar;
    • menor alteração da vida quotidiana. Aspetos especialmente relevantes nas faixas etárias da pediatria e da geriatria.
  • Económicas:
    • permite uma forte racionalização da despesa em saúde em especial quando em presença de elevados índices de substituição da cirurgia de internamento pela CA.

Em resumo, a CA traduz-se por um modelo organizativo centrado no utente, que está associado a um significativo incremento da qualidade, com aumento da personalização e da humanização dos cuidados de saúde.

 

A CA em Portugal

Em Portugal, a prática da cirurgia em regime de ambulatório remonta ao início da década de 90 do século XX.

A 15 de Setembro de 1998 foi criada a Associação Portuguesa de Cirurgia Ambulatória – APCA (Diário da República, III Série, nº 243 de 18 de Outubro de 1999, pág. 21 976- (6)), tendo como objetivo principal a formação e a promoção da Cirurgia Ambulatória.

O Programa do XVII Governo Constitucional (Março de 2005) realçava a importância de incentivar o desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório como instrumento para o aumento da efetividade, da qualidade dos cuidados e da eficiência na organização hospitalar.

Em 19 de Outubro de 2007 foi criada a Comissão Nacional para o Desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório (CNADCA), com a finalidade de estudar e propor uma estratégia e as correspondentes medidas, de forma a promover o desenvolvimento da CA no Serviço Nacional de Saúde (Despacho n.º 25832/2007). Após a apresentação pública do Relatório Final da CNADCA em 2008, o Despacho nº 30114/2008 do Ministério da Saúde determinou a implementação de critérios básicos no desenvolvimento dos programas de cirurgia ambulatória nos hospitais do SNS.

 

A CA na ULS da Guarda

A Unidade de Cirurgia de Ambulatório (UCA) da ULS Guarda tem dois polos: Hospital Sousa Martins na Guarda e Hospital Nossa Senhora da Assunção em Seia.

Em Seia, a UCA iniciou a sua actividade em Setembro de 2009, sob a coordenação do Dr. Dias da Costa e da Enf.ª Avelina.

Na Guarda, a UCA iniciou a sua actividade em Janeiro de 2010, sob a coordenação do Dr. Dias da Costa e do Enf.º Calado Monteiro.

Ao longo destes anos, a UCA tem vindo a desenvolver um trabalho regular no domínio da Cardiologia, Cirurgia Geral, Dermatologia, Ginecologia, Ortopedia, Otorrinolaringologia e Urologia, com um aumento considerável do número de doentes tratados e aumento da taxa de ambulatorização.

  • Coordenação

    • Dr. Pedro Caldes (Cirurgião)
    • Enf. Manuel Almeida (Hospital Sousa Martins)
    • Enf. Ricardo Jorge Cruz (Hospital Nossa Senhora da Assunção)

Equipa de Enfermagem

Hospital Sousa Martins Hospital Nossa Senhora da Assunção
Ana Catarina Pires Ana Filipa Aleixo
Ana Figueiredo Carla Sofia Nunes
Bárbara Monteiro Catarina Albino
Carla Pascoal Joana Pinto
Catarina Pires Maria Lina Abrantes
Emília Monteiro Maria de Fátima Ferreira
Helena Batista Matilde Alves
Irene Alves Susana Neves
Joana Fardilha
Manuela Dias
Marlene Fernandes
Paula Janeiro
Paula Raposo
Sandra Costa
Tânia Cameira
Vera Lucas

Assistentes Operacionais

Hospital Sousa Martins Hospital Nossa Senhora da Assunção
Adélia Pragana Armandina Rola
Belmira Lote Fátima Rodrigues
Bruna Gomes Isilda Almeida
Eduardo Freixo Maria Cândida Rodrigues
Fátima Pinto Maria Fátima Ramos
Isabel Gregório Maria Isabel Santos
Ivone Gonçalves Rosa Maria Reis
José Tavares Susana Santos
Lucília Marta

Assistentes Técnicas

 

Hospital Sousa Martins Hospital Nossa Senhora da Assunção
Catarina Louro Sílvia Fernandes
Paula Diegues

 

PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS REALIZADOS NA UCA

  • Cirurgia Geral:
    • Varizes – safenectomia e laqueação de colaterais
    • Hérnias inguinais – hernioplastias
    • Hérnias da parede abdominal – hernioplastias /herniorrafias
    • Hemorróidas – hemorroidectomia
    • Fissuras anais – esfincterotomia lateral interna
    • Fístulas anais – fistulectomia
    • Sinus pilonidal – exérese ou marsupialização
    • Lipomas/quistos – exérese
    • Colocação de cateter venoso totalmente implantado
  • Ortopedia:
    • Síndroma do túnel cárpico – libertação do nervo mediano
    • Sindroma de guyon – libertação do canal de guyon
    • Sobrecarga de metas – operação de Weil
    • Hallux valgus –correção de tecidos e buniectoma
    • Extração de material de osteossintese
    • Doença de Dupuytren – fasciectomia palmar/fasciotomia
    • Tenosinovite de Quervain – libertação dos tendões curto e abdutor
    • Dedos em gatilho – libertação dos tendões flexores
    • Dedos em garra – correção cirúrgica
    • Quistos sinoviais – exérese
    • Excisão de Nevroma de Morton
    • Libertação da asa externa rotuliana
    • Tofos gotosos – exérese
  • Cardiologia:
    • Revisão de Pace-Maker – Substituição de gerador
  • Ginecologia:
    • Nódulo da mama – excisão-biópsia de massa mamária
    • Patologia endometrial – histeroscopia/curetagem /biópsia
    • Controlo de maternidade – laqueação de trompas
    • Quisto vaginal/vulvar – exérese
    • Colocação e extração de dispositivo intra-uterino
    • Ressectoscopia
  • Urologia:
    • Fimose e/ou freio curto do pénis – circuncisão e/ou plastia de freio
    • Varicocelo – laqueação de vasos espermáticos
    • Incontinência urinária de stress/esforço da mulher – fita transobturadora
    • Hidrocelo – hidrocelectomia ou eversão da vaginal testicular
    • Doença de Peyronie – operação de Nesbit
    • Cistocelo – colporrafia anterior com prótese
    • Bexiga neurogénica/hiperativa – aplicação de toxina botulinica
    • Quisto do epididimo – excisão
    • Colocação/remoção de duplo J
    • Contracetivo masculino – vasectomia
    • Tumor vesical – ressectoscopia transuretral vesical
    • Tumor prostático – ressectoscopia transuretral prostática/laser /crioterapia
    • Litíase Renal – Litotrícia Endoscópica Intrarenal (RIRS)
  • Otorrinolaringologia:
    • Otite seromucosa – colocação de tubos de Sheppard
    • Hipertrofia de amígdalas e adenoides – amigdalectomias/adenoidectomias
    • Pólipos e nódulos das cordas vocais – exérese de pólipos e biopsias
    • Septoplastia
    • Polipectomia nasal
    • Hipertrofia dos cornetos / Turbinoplastia
  • Dermatologia:
    • Tumores malignos (carcinomas espinocelular basocelular e melanomas – excisão com encerramento direto, retalhos e enxertos
    • Tumores benignos (lipomas, quistos epidermóides e triquilémicos, nevos melanóciticos, fibromas) – excisão
    • Criocirurgia de tumores malignos e lesões pré-malignas
  • Pneumologia:
    • Fibroscopia
    • Toracoscopia

 

Informações Gerais aos Utentes

  • Referenciação para a UCA

O doente é referenciado para a consulta da especialidade cirúrgica pelo médico de família. Nessa consulta, o médico define se existem critérios clínicos para a cirurgia e confirma se o doente aceita ser operado em ambulatório.

  • Avaliação pré-operatória

O doente é avaliado nas consultas de Enfermagem e de Anestesiologia onde é recolhida toda a informação necessária.

É necessário cumprir os seguintes critérios:

      • Ter um adulto responsável que o acompanhe nas primeiras 24 horas do pós-operatório;
      • Meio de transporte individual para casa;
      • Habitação com condições mínimas de conforto;
      • Telefone/telemóvel disponível.

Na consulta de Anestesiologia é decidido se o doente tem condições clínicas para ser operado e são dadas todas as indicações acerca da necessidade de alterações na medicação habitual.

  • Cuidados e informações gerais
      • Se não puder comparecer na data marcada ou surgir alguma alteração no estado de saúde (tosse, febre, etc) até ao dia previsto para a intervenção, o doente deve informar de imediato a UCA;
      • Na véspera da intervenção deverá fazer uma refeição ligeira (jantar) e ficar em jejum a partir das 24 horas. Pode beber água em quantidades moderadas até 2 horas antes da intervenção;
      • No dia da cirurgia:
        • Tomar um banho de chuveiro com as esponjas impregnadas em clorohexidina, fornecidas na consulta de anestesia; usar roupa e calçado confortáveis;
        • Não usar maquilhagem, verniz nas unhas, lentes de contacto;
        • Não transportar objetos de valor (dinheiro, joias ou adornos);
        • Fazer-se acompanhar dos medicamentos que toma habitualmente e dos exames, documentos de identificação, roupão e chinelos, livro ou uma revista se o desejar;
        • As crianças devem fazer-se acompanhar de um jogo, livro ou brinquedo da sua preferência;
        • Dirigir-se ao Secretariado da UCA, para ser efectuada a admissão;
        • As crianças são acompanhadas por um familiar (mãe, pai ou outro) nas salas de Recobro 1, 2 e 3. Os adultos poderão ser acompanhados apenas no Recobro 3 (de acordo com as normas da DGS)

Preparação da alta:

        • A equipa de enfermagem faz o ensino acerca dos cuidados pós operatórios, facultando carta de alta, data próxima consulta, panfleto informativo, medicação prescrita e respetiva posologia.
        • Será contatado após: 24 horas; 14 dias; 30 dias, para acompanhamento da sua recuperação.

Recomendações após a alta 

        •  Respeitar integralmente todas as indicações fornecidas no momento da alta;
        • Dirigir-se á Unidade de Cuidados de Saúde Primários com a carta de alta para dar continuidade ao seu plano de cuidados;
        • Não conduzir automóveis, ou qualquer outro tipo de máquinas, nas primeiras 24 horas;
        •  Retomar a medicação habitual;
        • Comparecer à consulta de pós-operatório

Qualidade

SINAS – A UCA está submetida à avaliação do Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), que é o sistema de avaliação da qualidade global dos serviços de saúde em Portugal continental desenvolvido pela Entidade Reguladora da Saúde. A avaliação é contínua sendo os resultados comunicados à ULS e divulgados no Website do Sinas duas vezes por ano.

Acreditação – Em 30 de Março de 2016 a UCA do Hospital Sousa Martins recebeu o Certificado de Acreditação, tornando-se a primeira unidade do país a ser certificada segundo o Modelo ACSA (Agencia de Calidad Sanitaria de Andalucía), modelo nacional oficial de acreditação em saúde, de opção voluntária, aprovado por Despacho da Ministra da Saúde (Despacho n.º69/2009, de 31 de Agosto).

Serviço de Cirurgia Geral

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Augusto Lourenço

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Silvino Rodrigues

Contatos

Serviço de Oftalmologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. José Varelas

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Sérgio Anunciação

Contatos

Serviço de Ortopedia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Luís Camarinha

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.Sérgio Anunciação

Contatos

Serviço de Otorrinolaringologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. José Gama

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Emília Figueiredo

Contatos

  • Telefone: (+351) 271 200 438

Serviço de Urologia

Medicina Física e de Reabilitação

Diretores/Coordenadores de serviço

Dr.ª Susana Abreu

Contatos

  • Telefone: (+351) 271 200 200
  • Email: susana.abreu@ulsguarda.min-saude.pt

Serviço de Cardiologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Cristina Gamboa

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Hélder Santos

Contatos

Serviço de Dermatologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Fátima Cabral

Contatos

  • Telefone: (+351) 271 200 401

Serviço de Gastroenterologia

Contatos

Serviço de Medicina

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. João Correia

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.º José Calado – Setor A
  • Enf.ª Marta Morgado – Setor B

Contatos

Serviço de Neurologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Prof. Dr. Javier Rós

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Hélder Santos

Contatos

  • Telefone: (+351) 271 200 387

Serviço de Pneumologia

Retrato do Serviço de Pneumologia da U.L.S da Guarda

No ano de 1883, o médico José Tomás de Sousa Martins, entusiasta da doutrina do Alemão Hermann Brehmer que defendia a abertura de Hospitais vocacionados para o tratamento da Tuberculose em áreas com condições climatéricas consideradas adequadas – ar fresco, despoluído e rarefeito- os chamados Sanatórios de altitude, empreende uma expedição à Serra da Estrela, fazendo-se acompanhar de figuras prestigiadas do mundo da Medicina e da Politica.

Com a realização desta viagem consegue sensibilizar o poder político para a construção de um Sanatório na Guarda, à semelhança do que já tinha acontecido em Gorbersdorf na Silésia, em Ruppertshain na Alemanha ou em Davos na Suiça. Chamar-se-ia inicialmente Hospital Príncipe da Beira e, mais tarde, Sanatório de Sousa Martins.

Em 1891 iniciou-se a sua construção e a 18 de Maio de 1907 é inaugurado pelo Rei D. Carlos e pela Rainha D. Amélia de Orleãs, vulto de inegável importância na luta anti-tuberculosa no nosso país. Durante a sua existência o Sanatório da Guarda marcou a história da cidade e honrou a Pneumologia Portuguesa, tendo para isso contribuído de forma decisiva os seus sucessivos diretores: Lopo de Carvalho, Amândio Paul, Ladislau Patrício e Martins Queiroz.

Já na década de 70, com o advento da terapêutica anti-bacilar combinada e com o início do tratamento ambulatório, assiste-se à progressiva extinção dos Sanatórios.

Herdando o prestigiado trabalho do Sanatório da Guarda surge assim o Serviço de Pneumologia, dando continuidade à luta contra a tuberculose e evoluindo na diferenciação e qualidade da abordagem da patologia respiratória.

Novas áreas de especialização pneumológica foram criadas como a reabilitação respiratória, a fisiopatologia respiratória, a broncologia, a pneumologia oncológica, o laboratório de estudo do sono e a unidade de ventilação não invasiva. Também a consulta de pneumologia geral foi diferenciada com a abertura das consultas de desabituação tabágica, doenças do interstício, asma, patologia do sono, pneumologia oncológica e consulta de insuficientes respiratórios crónicos.

O Serviço de Pneumologia tem, desde 1983, idoneidade formativa para o Internato de Pneumologia, tendo formado desde essa data e de modo continuado médicos especialistas.

A partir do ano de 2002 o Serviço de Pneumologia integra a docência da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior nas unidades curriculares clínicas da área respiratória. Este facto obrigou ao desenvolvimento de competências pedagógicas pelos profissionais que integram o Serviço.

O Serviço possui instalações modernas e funcionais, que integram uma enfermaria com 16 camas, 4 quartos de isolamento e ainda uma unidade de ventilação não invasiva com 4 camas.

Ao longo de mais de um século de existência o Serviço de Pneumologia da Guarda tem procurado a renovação e atualização permanentes, perspetivando um caminho futuro em que se continue a afirmar pela qualidade, prestigiando assim a Pneumologia Portuguesa.

Luís Ferreira (Diretor do Serviço de Pneumologia)

 

Profissionais Médicos:

  • Luís Manuel Ferreira (Diretor de Serviço)
  • Adelino Amaral
  • Alcina Tavares
  • Filomena Luís
  • José Manuel Silva
  • Luís Vaz Rodrigues
Logotipo Pneumologia

Internato Médico:

  • Rita Matos Gomes
  • Madalena Reis
  • Filipa Fernandes
  • João Parreira
  • Filipa Carriço
  • Gonçalo Samouco
  • Marcos Oliveira

Técnicos:

Técnicos de Cardiopneumologia:

  • Margarida Janela
  • Jaquelina Caetano

Técnicos de Neurofisiologia:

  • Catarina Rito

Técnicos de Fisioterapia:

  • Ângela Albuquerque
  • Margarida Maurício
Enfermeiros: Assistentes Operacionais:
Cândida Ribeiro (Enfermeira Chefe) Cristina Silva
Graça Cunha Ana Figueiredo
Gina Monteiro Dulce Sousa
Cecília Santos Maria de Jesus
Ana Rita Martins Helena Bidarra
Carla Tomé Paula Monteiro
Paulino Silva Lurdes Machado
Bruno Ramos Mª Conceição Dias
Ana Isabel Santos António Cruz
Ricardo Veiga
Susana Vicente
Eduardo Bárbara
Andreia Martins
Ana Catarina Martins
Adelaide Fernandes
Raquel Martins
Carina Poça
Ângela Martins
Paula Gomes

Secretariado Clínico:

  • Isabel Isidoro

Consultas e Tratamentos

Tipos de Consultas

  • Consulta de Pneumologia Geral
  • Consulta de Asma Grave
  • Consulta de Doenças do Intestício
  • Consulta de Patologia Respiratória do Sono
  • Consulta de Pneumologia Oncológica
  • Consulta de Desabituação Tabágica
  • Consulta de Reabilitação Respiratória
  • Consulta de Insuficientes Respiratórios Crónicos

Técnicas e Exames Auxiliares de Diagnóstico e Terapêutica

  • Broncovideoscopia
  • Toracoscopia
  • Estudo Polissonográfico
  • Poligrafia Cardiorespiratória Domiciliária
  • Testes Cutâneos de Alergia
  • Reabilitação Respiratória
  • Espirometria
  • Pletismografia
  • Provas de Provocação Inespecíficas
  • Provas de Marcha
  • Provas de Esforço Cardiopulmonar

 

Logotipo Pneumologia

Documentos

Serviço de Reumatologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Cláudia Vaz

Contatos

Unidade da Dor

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Dias Costa

Contatos

Unidade de AVC's

Logotipo AVC's

A Unidade de AVC (UAVC) do Hospital de Sousa Martins, Unidade Local de Saúde da Guarda, (ULSG), encontra-se em funcionamento desde o ano de 2009, tendo sido implementada simultaneamente com a Via Verde AVC (VV-AVC). É uma unidade de tipo B, com 8 camas de internamento, integrada no serviço de Medicina Interna e fisicamente localizada no edifício 5, piso 1, desta unidade hospitalar.

Coordenada pelo Dr. Nuno Eduardo Costa (Medicina Interna), a unidade de AVC conta com médico assistencial permanente no internamento, e uma escala de serviço à urgência de AVC, garantindo o funcionamento da VV-AVC 24 horas por dia.

Com espaço próprio e estrutura física diferenciada, integra uma equipa multidisciplinar com os serviços de Medicina Interna, Medicina Física e de Reabilitação, Neurologia, Nutrição e Dietética, Farmácia, Serviço Social e Equipa de Gestão de Altas.

Além da unidade de internamento e ginásio de reabilitação, também dispõe de Consulta Externa específica de AVC, com 3 períodos semanais, e com reavaliação de Medicina Física e de Reabilitação, e de Nutrição, quando necessário e aplicável.

A Consulta Externa de AVC dá resposta no seguimento, estudo etiológico complementar, controlo dos fatores de risco vascular, promoção e prevenção na saúde, e educação em via verde AVC dos doentes previamente internados, bem como na avaliação inicial de doentes referenciados através dos outros Serviços e dos Centros de Saúde, e ainda dos doentes encaminhados a partir do Serviço de Urgência (SU) por AIT, com marcação de consulta prioritária, quando não reúnem critérios de internamento.

Qualidade:

  • A unidade de AVC iniciou em 2017 o processo de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), que é o sistema de avaliação da qualidade global dos serviços de saúde em Portugal continental desenvolvido pela Entidade Reguladora da Saúde.

Aderiu e implementou na instituição o projeto Europeu ANGELS que visa melhorar a qualidade e o tempo de atendimento do doente com AVC.

Equipa Médica Joana Baía (Enf.ª)
Marlene Fernandes (Enf.ª)
Dr. João Correia (Diretor do Serviço de Medicina) Nuno Monteiro (Enf.)
Dr. Nuno Costa (Coordenador da UAVC) Telma Dias (Enf.)
Dra. Heidy Cabrera (Internista) Rui Guerra (Enf.)
Prof. Dr. Francisco Javier Rós (Neurologista) Patrícia Nobre (Enf.ª)
Dra. Susana Abreu (Fisiatria e Diretora do Serviço MFR) Tânia Mendes (Enf.ª)
Dr. Francisco Tavares (Fisiatria) Patrícia Trindade (Enf.ª)
Dra. Mónica Lopes Lourenço (Terapeuta da Fala) Tiago Duarte (Enf.)
Dra. Sara Sanches (Terapeuta da Fala) André Nunes (Enf.)
Dra. Inês Campos (Nutricionista) Célia Gomes (Enf.ª)
Dr. António Cabral (Farmacêutico)
Filipa Cavaleiro (Assistente Social) Assistentes Operacionais:
Equipa de Enfermagem: Cândida Antunes
Fernanda Teixeira
Domingos Rodrigues (Enf. Chefe) Margarida Fonseca
Ricardo Correia (Enf. Reabilitação) Natália Costa
Carlos Reis (Enf. Reabilitação) Tânia Jesus
Tânia Leão (Enf.ª) Salete Amorim
Sandra Martins (Enf.ª) Lurdes Palmeirão
Cátia Martins (Enf.ª)

Informações ao Utente:

Horário das Visitas:

  • Das 14h às 16h
  • Das 18h às 19h30

Horário das Consultas:

  • Terças-feiras: 9h – 12h
  • Quartas-feiras: 9h – 13h
  • Quintas-feiras: 9h – 13h

Contatos:
Avenida Rainha Dona Amélia
6300-857 Guarda

Telefone: 271 200 376
Fax: 271 223 104

Email: unidade.avc@ulsguarda.min-saude.pt

Unidade de Oncologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Ildefonso Fidalgo

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Armando Mocho

Contatos

Serviço de Pedopsiquiatria

Serviço de Psiquiatria

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. António Gomes

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Alzira Pereira

Contatos

Serviço de Ginecologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. José Aníbal

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Leonor Almeida

Contatos

Serviço de Obstetrícia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. José Aníbal

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Helena Correia

Contatos

Clique aqui para descarregar: Enxoval para Maternidade (Ficheiro PDF, 1,28MB, 2p A4)

Serviço de Pediatria/Neonatologia

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. António Mendes

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Elisabete Ambrósio

Contatos

Manual de acolhimento Neonatologia (Ficheiro PDF, 698KB, 2p A4)

BabyCare

A Unidade de Neonatologia do Hospital Sousa Martins da ULS da Guarda, dispõe desde Agosto de 2015, do sistema BabyCare, apoiado pela Fundação PT.
Este sistema permite aos pais de bebés internados nesta unidade, visualizar os filhos a partir de casa ou de qualquer lugar com Internet.

Através das câmaras de vídeo instaladas nas incubadoras, os pais dos bebés poderão visualizar os seus filhos, diariamente entre as 13:00 e as 21:00.

Fazendo a autenticação do utilizador, mediante uma palavra-chave atribuída pelo hospital, terá acesso único à visualização do seu bebé.

Clique aqui para transferir o manual de utilização (Ficheiro PDF, 407KB, 2p A4), e aceda à aplicação aqui, para visualização do seu bebé.

Unidade de Urgência Obstétrica

Unidade de Urgência Pediátrica

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Pedro Guerra

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf.ª Emília Valente

Contatos

Serviço de Anestesiologia

Médicos:

Manuel Alfredo Dias da Costa, assistente graduado sénior

Paula Maria Pais Mamede Fonseca, assistente graduada sénior

António José da Costa e Almeida Matos Godinho, assistente graduado (diretor de serviço)

Maria José Pires Fagundes Alexandre Correia, assistente graduada

Graça Maria Batalha de Oliveira Amado, assistente graduada

Joana Sofia Teixeira Jesus, assistente hospitalar

Carmen Pilar Sendino Juanes, assistente graduada

 

Secretariado clínico:

Ilídio Miguel Brás Guedes

 

Pode dizer-se que o Serviço de Anestesiologia da ULS da Guarda nasceu em 1 de Abril de 1984 com a vinda do Dr. Dias da Costa de Coimbra (hospital dos Covões) para a Guarda, em tempos que fazem recuar a memória a personagens como Silvano Marques (cirurgião) ou Pissarra de Matos (“anestesista”).

Durante os 10 anos seguintes muitos outros médicos colaboraram de forma mais ou menos regular com o serviço.

O Dr. Dias da Costa desempenhou funções de director do serviço durante 29 anos, tendo-lhe sucedido nas funções a Dra. Paula Fonseca.

Apenas em 1993 começou a tomar forma a actual estrutura do serviço com a vinda de 4 médicos em 4 anos: Matos Godinho em 1993, Paula Fonseca em 1994, Maria José Fagundes em 1995 e Graça Amado em 1997, todos provenientes dos H.U.C..

Três anos depois, em 2000, ingressou no serviço a Dra. Ilda Santos, completando um núcleo de 6 anestesistas que se manteria inalterado durante mais de 17 anos.

Durante esse tempo foi possível apetrechar o serviço, abrir a Unidade de Cuidados Pós-Anestésicos, iniciar o programa de Analgesia do Parto, abrir a Unidade de Cirurgia do Ambulatório, informatizar a ficha de anestesia, desenvolver novas técnicas e descobrir novos fármacos, equipamentos e materiais.

O serviço assistiu à inauguração em 1998 do actualmente chamado Pavilhão 5, abandonando em Maio desse ano o velho bloco da Misericórdia.

Foi igualmente nesse ano que o serviço passou a dispor de secretariado clínico próprio, recordando-se os nomes da D. Ana Maria e da D. Dulce.

Actualmente essas funções são exemplarmente desempenhadas pelo Sr. Ilídio Guedes.

O Serviço de Anestesiologia apenas dispôs de instalações próprias em 2002 (no antigo bloco operatório do ex-sanatório) ocupando hoje um espaço adaptado de uma antiga enfermaria  no Pavilhão 5 que dispõe de salas de reuniões, gabinetes, instalações sanitárias, cafetaria e área de descanso.

Mais tarde, já em 2014 foi inaugurado o novo pavilhão com novo bloco operatório e nova UCPA.

Apenas em 2017 o serviço foi reforçado com a chegada da Dra. Joana Jesus, também ela formada nos H.U.C.

Já em 2019 reforçou o serviço a Dra. Carmen Sendino proveniente do C.H.Leiria, completando actual leque de 8 anestesistas.

Em Maio de 2020 o serviço passará a receber médicos internos de anestesia que aqui cumprirão estágios de 2 meses, abrindo-se uma nova porta ao futuro do serviço.

Muitos outros colaboraram e colaboram com o serviço:

Dra. Emília, Dr. Mesquita, Dr. Henrique, Dr. Luís Carlos, Dr. Paulo Freitas, Dra. Glória e, mais recentemente as Dras. Elena Segura, Márcia Figueiral, Sofia Valente, Maria João Freitas, Andreia Silva, Carla Silva, Carolina Rocha, Prof. Joaquim Viana e Pedro Moreira.

Actividades:

Assistenciais (Hospital de Sousa Martins e Hospital de Nossa Senhora das Assunção):

Anestesia para cirurgia programada convencional

Anestesia para cirurgia programada ambulatória

Anestesia para cirurgia de urgência

Anestesia para realização de exames

Consulta Externa para cirurgia convencional

Consulta externa para cirurgia ambulatória

Visita pré-anestésica

Dor aguda pós-operatória

O Dr. Dias Costa é o responsável pela Unidade de Tratamento da Dor que não se encontra dependente do Serviço de Anestesia.

 

Não Assistenciais

Colaboração com a área da formação (coordenação e colaboração em acções de formação dirigidas a diferentes grupos profissionais);

Reuniões de serviço clínicas e administrativas com periodicidade semanal;

Apoio a estágios de observação de alunos de Medicina e Internos do ano comum;

Tutela de estágios dirigidos a Internos de Formação Específica de Anestesiologia (a partir de Maio de 2020).

 

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr. Matos Godinho

Contatos

Serviço de Urgência Básica

Coordenadora

  • Dr.ª Helena Figueiredo

Enfermeira Chefe

  • Enf.ª Idalina Silva

Contatos

  • Telefone: (+351) 238 320 700

Unidade de Cuidados Intensivos

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Luísa Lopes

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. João Marques

Contatos

Urgência Geral

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Adelaide Campos

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Vítor Salomé

Contatos

VMER

Diretores/Coordenadores de serviço

  • Dr.ª Adelaide Campos

Chefia/Responsáveis de enfermagem

  • Enf. Bruno Macedo

Contatos

1 | Apresentação

Com base no mote “Consigo, em sua casa”, surge um modelo de assistência hospitalar que se carateriza pela prestação de cuidados à pessoa doente no domicílio. Define-se assim, a Hospitalização Domiciliária como um modelo de assistência hospitalar focado para a prestação de cuidados no domícilio a doentes, cujas condições biológicas, psicológicas e sociais assim o permitam. É modelo direcionado para uma população em grande parte idosa, com alto predomínio de doenças crónicas e várias patologias associadas.

A Hospitalização Domiciliária prende-se por princípios essenciais, tais como:

  • Equivalência na qualidade de cuidados prestados em regime domiciliário, em relação aos proporcionados durante o internamento convencional;
  • Humanização, valorização e envolvimento ativo da família do doente;
  • Igualdade de direitos e deveres da equipa de profissionais do doente e do cuidador;
  • Aceitação voluntária do modelo de assistência hospitalar, exigindo um consentimento formal do doente e cuidador, bem como a existência de um domicílio que reúna as condições necessárias;
  • Rigor na admissão e na assistência. A Hospitalização Domiciliária é composta por critérios de conhecimentos e planificação rigorosos, desde a admisssão até à alta.

Os objectivos da Hospitalização Domiciliária assentam em:

  • Valorizar o papel da família/cuidador precavendo a não aceitação, o abandono ou a institucionalização;
  • Humanizar os cuidados garantindo um tratamento diferenciador de nível hospitalar na comodidade do domicílio;
  • Aproximar o hospital à comunidade desenvolvendo uma medicina de ambulatório no utente, na família e na comunidade;
  • Aumentar a recuperação e a autonomia do doente no seio do seu lar;
  • Diminuir o perigo de complicações consequentes do internamento convencional (principalmente quedas, infeções nosocomiais e quadros confusionais agudos).

São objectivos a longo prazo:

  • A promoção da utilização racional dos recursos de saúde;
  • A prevenção de readmissões hospitalares;
  • A diminuição da demora média;
  • O aumento da literacia em saúde.

Missão:

A UHD tem como missão contribuir para a melhoria da saúde e bem-estar dos utentes que necessitem de cuidados hospitalares, disponibilizando-lhes um serviço de qualidade sempre que a permanência no hospital seja prescindível, desde que o utente o prefira e tenha condições de acesso, nomeadamente habitacionais e sociais.

No desempenho da sua atividade, a UHD pretende ser reconhecida pelos seguintes valores:

  • Orientação centrada no utente e na promoção de saúde na comunidade;
  • Respeito pela dignidade humana;
  • Defesa e aplicação de princípios éticos nas relações pessoais, profissionais e institucionais;
  • Cultura de excelência técnica e do cuidar.

2 | Critérios gerais

A admissão na UHD é voluntária e exige o cumprimento de critérios de admissão clínicos, geográficos e sociais.

Critérios de Admissão Clínicos
  • Diagnóstico determinado (Infeções Urinária, Respiratória, de Pele e Tecidos Moles; Colecistite e Diverticulite Agudas; Endocardite e Espondilodiscite; DPOC, Insuficiência Cardíaca e Renal, Cirrose Hepática e Diabetes mellitus);
  • Comorbilidade(s) controlável(eis) no domicílio;
  • Necessidade de cuidados de nível hospitalar, tendo em vista a sua complexidade e intensidade;
  • Ausência de contraindicações (perturbação psiquiátrica descompensada, alcoolismo ativo, instabilidade hemodinâmica ou risco epidemiológico);
  • Recursos terapêuticos apropriados para o tratamento e controlo da patologia em questão;
  • Existência de recursos humanos qualificados e suficientes, para a realização dos procedimentos.
Geográficos
  • Domicílio do utente situado, preferencialmente, no raio de 8 km dos Hospital Sousa Martins (ULSG). Outras distâncias serão analisadas caso a caso pela equipa.
Sociais
  • Autonomia do utente ou permanência do cuidador no domicílio;
  • Existência de um meio telefónico, para contato com a equipa de UHD sempre que necessário;
  • Existência de condições higiénico-sanitárias básicas e de habitabilidade adequadas (luz, água, sistema de saneamento).
Critérios de Exclusão
  • Doente com critérios de dependência a substâncias ilícitas ou dependência alcoólica;
  • Doente com ideação suicida, agitação psicomotora e/ou psicose aguda;
  • Portadores de doença com risco epidemiológico;
  • Incapacidade física ou emocional que impeça a colaboração do paciente/cuidador familiar para aplicação do procedimento;
  • Inabilidade mental do doente/cuidador familiar que condicione o entendimento dos cuidados necessários e tratamentos prescritos.

Após referenciação pelo médico, o paciente é sujeito a uma avaliação pela equipa do Serviço de Hospitalização Domiciliária: médico, enfermeiro e assistente social. Caso reúna os critérios de admissão, o paciente fica internado no domicílio, onde diariamente irá receber visitas de seguimento, efetuadas pela equipa responsável.

3 | Horários de Funcionamento

  1. Equipa Médica
    • 08:00 às 16:00 em presença física
    • 16:00 às 08:00 em regime de prevenção
  2. Equipa de Enfermagem (especialistas em Reabilitação)
    • 08:00 às 23:00 em presença física
    • 23:00 às 08:00 em regime de prevenção
    • Fora destes horários ambos os apoios estão disponíveis em regime de prevenção por telemóvel direto.
  3. Assistentes Técnicos
    • 09:00 às 17:00 (assessoria técnica da Consulta Externa)
  4. Assistentes Operacionais
    • 09:00 às 23:00 em presença física
  5. Equipas de Apoio Técnico (Serviços Farmacêuticos, Serviço de Nutrição, Serviço Social e Serviço de Psicologia)
    • Mediante plano diário/semanal, assegurando cumprimento de cuidados personalizados e completos.

4 | Equipa

Equipa Médica

Diretor do Serviço de Medicina: Dr. João Correia
Coordenadora da Unidade de Hospitalização Domiciliária: Dra. Paula Neves
Médico Auxiliar: Dr. Hugo Almeida
Médica Auxiliar: Dra. Sónia Canadas
Médica Auxiliar: Dra. Carina Santos

 
Equipa de Enfermagem

Enfermeiro Supervisor: Enf.º Júlio Salvador
Enfermeira Chefe/Coordenadora da Unidade de Hospitalização Domiciliária: Enf.ª Marta Morgado
Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação: Enf.ª Emanuela Alves
Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação: Enf.ª Isabel Santos
Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação: Enf.º Edgar Coelho
Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação: Enf.ª Ana Simão
Enfermeira Especialista em Enfermagem de Reabilitação: Enf.ª Ana Raquel Crespo Fernandes

Equipa de Apoio Técnico

Farmacêutico: Dr. António Coutinho Cabral
Nutricionista: Dra. Inês Campos
Assistente Social: Dra. Sílvia Marina
Psicóloga: Dra. Sofia Coutinho

Assistentes Operacionais

Assistente Operacional: Dulce Saraiva
Assistente Operacional: Liliana Figueiredo
Assistente Operacional: Maria José Ferreira

5 | Informações Úteis

Secretariado: Vânia Silva

Telefone:

Telemóvel:

Email: uhd@ulsguarda.min-saude.pt

Departamento de Cirurgia
Departamento de Medicina
Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental
Departamento de Saúde da Criança e da Mulher
Departamento de Urgência/Emergência e Medicina Intensiva
Unidade de Hospitalização Domiciliária